quarta-feira, 21 de março de 2012

IGREJA SERVA DE JESUS DE NAZARÉ


Por Pr. Wellington Santos

Nestes últimos dias, durante nosso tempo sabático aqui em Webster Groves-MO, tenho visto e ouvido através da internet, acompanhando as últimas e lamentáveis notícias de boa parte da igreja evangélica brasileira midiática, muitos discursos religiosos vindos de crentes, líderes e até de alguns que se acham verdadeiros “super líderes” da igreja cristã. Estes discursos partem da maioria da bancada evangélica no congresso brasileiro e dos inúmeros programas de televisão comandados pelos pastores da mídia. Geralmente os discursos seguem quase sempre na mesma direção. Deixe-me destacar pelo menos duas frases interessantes e quase fundamentais neste tipo de discurso que precisam ser repetidas diariamente, para passar um ar de preocupação com a obra de Deus, demonstrando santidade e intimidade com o Senhor da Seara:

1. “Precisamos defender a igreja de Jesus”. Para mim estes são os que se consideram advogados contratados pelo “pobre” Senhor que não tendo como defender sua igreja precisa com muita urgência da misericórdia humana destes e destas que se colocam a disposição para “defender” a igreja do Senhor. São crentes e líderes de “alta estirpe espiritual” que se consideram autorizados por Deus e capazes de defender a igreja de todos os ataques do maligno. Honestamente meus irmãos, Deus nunca precisou de advogados nem nunca precisará. Ele nunca passou nenhuma procuração para que ninguém ficasse usando seu nome a todo instante indevidamente. Neste ponto quero aqui relembrar as palavras da teóloga católica Ivone Gebara que tem insistido em dizer que precisamos deixar Deus em paz e aprender a assumir nossas lutas e interesses, falando mais em nosso próprio nome e deixando de usar o nome de Deus para justificar nossas visões ideológicas e políticas da vida;

2. “Este mundo está perdido com tudo que nele há”. Esta frase é boa e precisa ser observada com atenção, pois, passa uma ideia de que quem recita a mesma está praticamente recitando as palavras literais do nosso Senhor e Mestre Jesus de Nazaré. Primeiro é bom observar que estas são palavras do apóstolo João registradas em sua primeira epistola e não palavras literais do Senhor Jesus; Segundo é bom atentar para o texto em si. Observe por exemplo: “Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo (a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens) não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre. Sabemos que somos de Deus e que o mundo todo está sob o poder do Mal” (I João 2:15-17 e 5:19). De fato numa rápida leitura ou como atualmente gostamos de fazer, deixar que os outros leiam, pensem e interpretem por nós, fica a ideia de que o mundo com todas as suas belezas e coisas boas não valem de nada. Tudo será destruído no fim. Não concordo com esta visão. Precisamos aprender a separar, como diz o provérbio popular, a espinha do peixe, tendo muito cuidado para não jogarmos a água suja do banho da criança com a criança dentro. Aqueles que insistem em se comportar como juízes afirmando que o mundo não tem nada de bom, geralmente estão dando ênfase às tragédias diárias que nos cercam que nem preciso mencioná-las aqui de tanto que se fala delas. Acaba-se dando uma ideia que este mundo criado por Deus, que disse que tudo era muito bom (Gênesis 1:1-31) não presta e precisa ser destruído o mais rápido possível. É verdade que a maldade e o pecado acabaram dando uma boa borrada no projeto inicial, entretanto, este mundo criado por Deus é simplesmente maravilhoso. Olhe a sua volta e tente enxergar tanta beleza e coisas maravilhosas que Deus criou para nosso bem. Neste mesmo mundo de belezas e maravilhas, também temos lamentavelmente violência, abuso de poder, acumulo de riqueza, fome, miséria e tantas outras mazelas que precisam ser denunciadas e combatidas a fim de que possamos equalizar melhor a vida para todos e todas; agora afirmar que o mundo não tem nada de bom é um tremendo de um exagero e de uma leitura condicionada da Bíblia. Até porque muitos daqueles e daquelas que tanto esbravejam contra o mundo e suas mundanidades, não conseguiriam viver hoje sem ar condicionado nos templos, carro de luxo, tablets, sonorização moderna, ternos super caros e mundanos, etc. Alguns homens e mulheres de “Deus” não conseguindo viver mais entre os simples mortais mudam-se para viver de forma nababesca em condomínios de luxo e fazendas particulares. Não viajam mais entre os mortais pecadores, alegando necessidade de pregar o evangelho rápido, até porque o mundo está se acabando de tanta maldade, só viajam em seus aviões particulares, enfim, mundanidades que parecem não fazer nenhum mal aos que tanto julgam e pregam contra o mesmo mundo que usufruem e curtem adoidado.

Dei ênfase para estas duas frases no afã de destacar que nosso papel como servos do Senhor Jesus de Nazaré não deve ser diferente do nosso Mestre, Salvador e inspiração de vida. Segundo o evangelho de João, “todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele, nada do que existe teria sido feito” (João 1:3). Jesus de Nazaré que poderia pregar a total destruição do mundo com todos os seus paradoxos fez as seguintes afirmações com relação ao mundo: “Eu não vim para julgar o mundo, mas para salvá-lo. Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele” (João 12:47b e 3:16,17). Jesus foi tão radical em sua missão e amor pelo mundo criado com Ele e por Ele que o evangelho de Marcos registrou as seguintes palavras Dele: “Pois nem mesmo o Filho do Homem veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Marcos 10:45). O foco do discurso e da vida de Jesus com relação ao mundo não estava na defesa de Deus nem tampouco no julgamento e condenação do mundo e sim no serviço as pessoas que habitavam o mundo da sua época. Se quisermos ser fiéis ao discurso de Jesus e imitá-lo, teremos que abandonar a postura de advogados e juízes do mundo para assumir a postura de servos do mundo. Em nosso último fórum igreja e sociedade realizado em agosto de 2011, o Pr. Reginaldo Silva fez a seguinte afirmação: “A missão da igreja não é de salvar o mundo e sim de servi-lo”.

No último final de semana nossa comunidade comemorou 42 anos de organização como igreja do Senhor Jesus. Foi uma festa linda regada a muito serviço para comunidade. Confesso que mesmo de longe quando olhei as fotos e li as reportagens que saíram nos órgãos de imprensa do nosso Estado, fiquei emocionado e orgulhoso de fazer parte deste projeto de serviço de Deus para este pedacinho do mundo chamado Alagoas. Poder ver a feira camponesa da CPT, as pessoas sendo assistidas em suas necessidades básicas com carinho, amor, atenção e um sorriso no rosto, os casamentos comunitários, a bela organização e participação da corrida da cidadania que visa integrar a comunidade a cidade através do esporte tentando anunciar a cidade um evangelho de serviço em vez de julgamento e condenação. Poder ouvir as palavras do Pr. Olímpio exortando a igreja para que continue servindo cada vez aos homens e mulheres de todas as classes e lugares que buscarem guarida entre nós, foi algo que encheu nosso coração de profunda gratidão ao Senhor Jesus. Creio firmemente meus irmãos e irmãs, que devemos continuar assumindo a postura de servos do nosso bairro, da nossa cidade, Estado, país e onde mais o Senhor quiser contar com nosso serviço. Imitar ao Senhor Jesus é exatamente abraçar com paixão as mesmas causas que Ele mesmo abraçou e deu a sua vida. Dentro de mais alguns dias iremos entrar na semana chamada santa, precisamos aproveitar para nos comprometermos mais ainda com este Jesus que não tendo sua vida por preciosa se doou por nós (Filipenses 2:5-10). Vamos precisar continuar sendo ousados, nas palavras do Pr. Olímpio, para assumir nosso jeito de ser e incluir todos e todas que quiserem estar entre nós. Aproveitando o espaço, faço um rápido destaque ao acampamento da nossa juventude que foi coordenado por Patrícia Nascimento e Vando no início do mês, que nos deixou uma grande lição de convivência respeitosa e amorosa. Lá a unidade regada à dependência de Deus e reflexão teológica, mostrou que é possível que todos e todas possamos conviver juntos no mesmo espaço apesar das nossas diferenças sexuais, políticas e ideológicas. O amor de fato derrubou o muro da separação e da segregação em nosso meio. Se quisermos continuar servindo ao próximo como Jesus serviu, teremos que abandonar a postura de juízes e assumirmos radicalmente a postura de servos, mesmo que isto nos custe um alto preço.

Parabéns Família Batista do Pinheiro, parabéns a toda liderança da IBP, parabéns ao grupo do MASMISSÕES e todos os voluntários do dia da cidadania, parabéns aos organizadores da II Corrida da Cidadania, parabéns ao Pr. Paulo Nascimento pela forma brilhante como vem conduzindo este precioso povo de Deus até aqui. Obrigado em nome de Jesus a todos e todas que acreditando nestes projetos de serviço e cidadania tem contribuído de forma simples e humilde para o sustento desta obra com orações, trabalho e recursos financeiros durante estes 42 anos de história. Louvado Seja o nosso maravilhoso Deus.

Webster Groves-MO, 21* de março de 2012
Pr. Wellington Santos
*Hoje é o dia da organização da IBP (21 de março de 1970)